20 de outubro de 2011

Um gole de vodka Pierrot?


Em dias frios e de solidão como hoje é de verdade que eu adoraria a companhia do Pierrot para diversos e rápidos goles de vodka gelada. Tenho certeza que suas mímicas não estariam em silêncio assim que ele percebesse a melodia que meu corpo produz em gritos. Seríamos dois eternos amigos desconhecidos. Pierrot e eu. Bêbados, nús rolando pelo chão imundo do centro da cidade. Começasse eu a falar com ele e soltar, declamar, recitar palavras mudas de fato nos entrelinharíamos em mundos de novas páginas de sentimentos e interpretações ingênuas.

Oh! Felicidade.

Brevemente estaríamos em tanta sintonia que eu estaria já pegando sua maquiagem e sua roupa para junto dele travestir a inocência que temos e que por isso tanto sofremos. Correríamos e não haveria mais a maldição de Arlequins e Colombinas. Seríamos nós, preto e branco, pulsantes, lacrimosos e verdejantes pela vida real de nossas almas. 

Ah Pierrot.

Pudesse eu teria sido o panqueique para acompanhar toda sua lunaticidade poética e viva nestes palcos sombrios e que tanto são parecidos com as ruas e corações por onde caminho. Daríamos as mãos e em várias andanças para curar sentimentos destroçados poderíamos juntos ressusci(ma)tar cada parte da gente com diversas e diversos amantes, seríamos ao invés de toda esta comédia injusta; sorrisos maltrapilhos. Mas sorrisos.

Mas você nunca estará aqui Pierrot, para me acompanhar neste gole de vodka gelada que dou em meio a um bar de perversidades.


12 comentários:

  1. Eu gostei de "lunaticidade poética".

    ResponderExcluir
  2. Perfeito,LUCAS.
    Sofremos por ser inocentes, amei, amei. Bjs
    Beijo da Ivana

    ResponderExcluir
  3. Um triste fato!

    Esta essência inocente que carregamos nos faz sofrer mas também crescer! Sim, acredito piamente na inocência da alma é o que torna por vezes a vida bela.


    Obrigado Pelo comentário Ivana!

    ResponderExcluir
  4. A (luna)ticidade poética fascina não é Luna!

    Obrigado pela presença.

    ResponderExcluir
  5. Pierrôt deixou-o com a cara na poeira...

    Como diria a ungida irmã Cley: CADÊ O GOVERNO? CADÊ O FBI?? CADÊ AS AUTORIDADES???

    ResponderExcluir
  6. Grato pela visita, e parabéns pelo blog, gostei dos teus textos, vou acompanhar. Abraço!

    ResponderExcluir
  7. E assim nessa tristeza e ilusão de sonharmos com algo que nos ajude a nos entregarmos a um outro é que vamos vivendo. Lindo Lucas!
    Obrigada pela visita em minha casa de palavras.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Olá Lucas
    Obrigado por me seguires.
    Estive a ver alguins posts do teu blog e gostei. Achei-o interessante.
    Tem tum bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito dos seus textos, Lucas. Em especial do "Corpos em varal". Vem de encontro com um texto que escrevi há pouco tempo e se voce puder (e quiser), leia:

    http://comoascerejasdaminhajanela.blogspot.com/2011/08/ampliando-nossa-visao-do-mundo.html

    Não sei linkar em comentário (nossa, preciso aprender, risos).

    Um beijo, querido
    Liz

    ResponderExcluir
  10. Valeu Liz!

    Li seu texto (parabéns); infelizmente muitos insistem a olhar apenas para frente sendo que temos ao nosso derredor uma vida além do que possamos pintar, escrever, desenhar ou mesmo viver!

    Temos que sentir cada (des)fragmento de tudo.

    ResponderExcluir