23 de janeiro de 2012

Cova de silêncios

São como pilastras de arame que começam a enferrujar.
Toda esta bondade ao léu, este sentimento sem olhar a quem.
Esta culpa por amar demais.
Hora dessas enferruja por completo tudo isso que me habita desde o nascimento (i)material.

Que dizer/fazer quando a única palavra que se tem da vida é o silêncio?
Talvez seja um caminho seguir com um monte delas. Lágrimas!
Pois estas de fato se deliciam com a face enrugada, cheia de buracos e (im)perfeições.

Lavam a alma?
Não, por vezes não lavam.
Sujam, destroem. 
Fazem com que a carne se amoleça, envermelhe, arranhe, sangre, fique mais frágil e comece a se decompor.

Que dizer ao silêncio então?
Outrora muito era dito – mas diante disso aprende-se também com ela; esta arma letal.
Logo, estarei agora assim, esvaindo em minha cova de silêncios.

(como todos que por via da desumanidade não conseguem salvar a vida com o gesto lindo da pronúncia)



4 comentários:

  1. Silenciar é ouvir, ouvir é perceber e perceber é se abrir pro mundo. As palavras definem, o silêncio desvenda... acho que é por isso que a linguagem é feita de palavras e pausas.
    Lindo poema. mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Oi tudo bom? Então, é a minha primeira visita aqui no seu e poxa, estou adorando! Estou seguindo e voltarei mais vezes!

    Também tenho um blog, passa por lá? Te deixo o link dele:
    http://25conto.blogspot.com/

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Lucas!
    Te encontrei no blog do Paullo e passei para conferir o teu blog. Adorei tudo! Os textos são extremamente intensos, instigantes, provantes...

    "Que dizer ao silêncio então?
    Outrora muito era dito – mas diante disso aprende-se também com ela; esta arma letal.
    Logo, estarei agora assim, esvaindo em minha cova de silêncios."

    UaU!É de perder o fôlego...Parabéns!

    Bom, já estou sentada na primeira fila a espera de novos posts. Te convido tbm trocar ideias lá no meu blog. Assim compartilhamos e nos enriquecemos. Cérebros saboreáveis são sempre bem-vindos.

    Bjo grande e abraço na alma.
    Diva L.
    //salto15vermelho.blogspot.com

    ResponderExcluir