24 de setembro de 2013

processo para rascunhar pensamento

Desenho em papel A5 (75g/m² 148mm x 210mm), Nanquim.

18 de setembro de 2013

amar(gar)



I

esvaziando
ou
escondendo
uma porção-mundo
de sentimentos
um
em especial

II

enche m’alma
de racionalidade
hiberna
assim
para
sobre-vida
viver
meu
coração

III

deixa que por hora
o corpo
vomite
a insensatez
de
amar
(gar)

IV

em branco

13 de setembro de 2013

Assino o decreto de mim mesmo.



Morreu, entre partes o que foi valido, mas apenas para o irreconhecível (in-aceitável). Vive agora, sob pena de ser um novo – renascido – sem asas, talvez nos desenhos, mas o corpo (...) cru, sendo o que é, até que se envolva num outro tipo de metamorfose por debaixo da terra.

E por assim estarem justos e de acordo, lavram, e caminham para o mesmo objeto de evolução e sentipensamento. O mundo, o corpo, o espírito. Eu.


11 de setembro de 2013

escambo



de que m’alma penetraria
um mundo existente - ou in -
conformado com a não matéria
semeia agora
carne
raiz
barganha do que era
para o novo do que deve ser
- emerg(sent)ir -
e não mais ser
anjo safado
- oculto -
dragão domado
- escancarado -
agora
simples assim
- respirar -
eu